De rampas e trapiches – memórias

De rampas e trapiches –  memórias

Eram inúmeras rampas e  os trapiches ao longo do rio em Macau. José de Arimatéia lembra-se  de várias que serviam para a ancoragem dos barcos de aguada que  vinha de Barreiras. Getúlio Teixeira nos fala da rampa – uma das  mais importantes – que existia próxima onde hoje é o Banco do  Brasil e o Grupo Escolar Duque de Caxias. Lá, informa Getúlio, era  onde ancoravam os barcos que vinham do Ceará repletos de  mercadorias. Farinha de mandioca, rapadura, querosene acondicionado  em latas de vinte litros, cajuína e vários outros produtos chegavam  em Macau via Ceará. A rampa foi construída no governo de João Melo  em 1942.

Da equipe do baú de  Macau