As Casas de Estudantes

As Casas de Estudantes

Foto Seu Santos, 1961, Casa do Estudante de Macau na Rua São José, na foto o ex-deputado José Adécio, Edson Gê, dentista e Francisco Chicola, ex-contador da CIRNE e José Arimatéira Gomes, ex-gerente do Banco do Brasil,  dentre outros.  arquivo: José Arimatéia Gomes

As chamadas casas de estudantes  foram fundamentais para que os jovens oriundos das pequenas cidades pudessem estudar e sair daquele mundo opressivo do sertão. Em Mossoró, em Natal e em Macau estas casas funcionaram sempre com muitas dificuldades. Contavam com o apoio governamental, da igreja e da comunidade. Na década de 60  a Casa do Estudante de Macau acolheu muitos jovens, dentre eles alguns que se destacaram como o ex-deputado José Adécio, o dentista Edson Gê, o ex-gerente do Banco do Brasil José Arimatéia Gomes, o ex-contador da CIRNE Francisco Chicola, dentre muitos que conseguiram o apoio necessário para cursar o ginasial e depois continuar os estudos em centros maiores. Sebastião de Almeida Medeiros foi um dos jovens que estudaram graças ao apoio da Casa do Estudante de Mossoró. Agora em 2008, escreveu o livro  Casa do Estudante de Mossoró – pedaços da sua história que foi editado pela Sarau de Letras.  O professor Davi de Medeiros Leite escreveu o prefácio do livro, que aqui apresentamos um excerto: … Sebastião tem uma trajetória típica do sertanejo que migrou à procura de estudos e de melhores dias. E o fez com toda a família. O pai, a mãe, ele e os irmãos formavam um numeroso clã que estava determinado a deixar o árido sertão de Jardim de Piranhas em busca da cidade grande, Mossoró. … e  aí, nessa fase primeira de desbravamento, é que entra em cena a Casa do Estudante de Mossoró, seu pouso inicial. Foi ali que o assustado menino de treze anos – que nunca tinha usado sapatos – aprendeu a conviver com outra realidade, bem diferente daquela do seu habitat. O leitor verá a importância fundamental da Casa na vida de Sebastião.