Em Macau onde tudo pode acontecer.

1

Em 1950, trabalhadores foram presos numa manifestação pacífica, portando cartazes onde reivindicavam, Queremos água! e Queremos Liberdade! A repressão não só espancou e prendeu os manifestantes, como rasgou uma bandeira brasileira que eles empunhavam.

Foto Seu Santos, década 70, inauguração do prédio do Banco do Brasil, arquivo: José A. Gomes

Na década de 60 trabalhadores foram perseguidos, presos e torturados para informar o local de um depósito de armas que nunca foi encontrado, porque nunca existiu. Nas décadas de 70 e 80, a Câmara de Vereadores de Macau exibia num luminoso o nome “Palácio Presidente Médici”, que aliás, nunca gostou do parlamento. Em 2000 um cidadão ajuizou uma Ação Ambiental que só foi julgada em 2005 e até hoje não foi cumprida. Em 2006 um teatro recém reformado caiu e hoje, em 2012 ainda não há culpados. Poderia citar centenas de absurdos que só acontece em Macau, mas citarei somente um para encerrar.

Cesta de moedas

Agora, no fechar de 2011, o Banco do Brasil, o maior banco do Brasil, que apresentou em 2011 o maior lucro de toda a sua história entrou para a lista dos devedores trabalhistas em razão de uma ação trabalhista em Macau.

Processo n. 24100-54.1997.5.21.0021 (RT)

INFORMATIVO

Informo que aos 14/12/2011 foi procedida a verificação do presente feito para fins de inclusão no Banco Nacional de Devedores Trabalhistas, sendo constatada a inadimplência da parte Banco do Brasil S/a, CNPJ 00.000.000/0477-40. Informo ainda que o nome existente na base de dados da Receita Federal referente ao CNPJ 00.000.000/0477-40 é BANCO DO BRASIL SA. Nesta oportunidade, faço conclusos os autos ao Exmo(a) Juiz(a) do Trabalho.

MACAU, 14/12/2011. CRISTHIAN DA SILVA TAMBOSI 308211171

Dispensada assinatura por força do art 1º do provimento TRT-CR 5/2011.

1

  1. You made some decent points there. I looked on the internet for the subject matter and found most people will go along with with your blog.
    louis vuitton handbags http://higts.overblog.com/

Deixe uma resposta