É um pouco da historia do ABC: Ernani Silveira homenageado pelo compositor Gomes de Melo

0

EXEMPLO DE VIDA [Mensagem lida por ocasião da missa de 7º dia, realizada na Igreja do Bom Jesus das Dores, na Ribeira, no dia 24.03.12, às 10:00h].

Por José Gomes de Melo Filho, Bacharel em Ciências Contábeis, Professor Aposentado da Rede Estadual do RN e Compositor.

Ernani Alvez da Silveira, foto galeria ex-prefeitos www.natal-rn.gov.br

Teria muito que falar sobre a figura do Dr. Ernani Alves da Silveira, o que levaria muito tempo, porém vou tentar resumir em breves palavras, ao longo de muitos anos do nosso conhecimento, que só a convivência edifica uma amizade que o tempo sedimentou como uma rocha que nasce de grãos de areia  que  flora da terra,  cresce e se transforma numa pedra bruta, que depois de lapidada, torna-se num brilhante, que os seus quilates a  transformam numa luz brilho.  Pois é com essa luz brilho, que não se encontra com tanta facilidade nos tempos de hoje, uma figura  como a do Dr. Ernani. O seu caráter, sua humildade, dignidade, bondade, o conciliador, o administrador até nas adversidades.  O Dr. Ernani, na sua trajetória dos seus oitenta e seis anos, deixou um legado de vida inconfundível, um exemplo para todos nós. Foi seminarista, talvez querendo seguir a vocação do seu tio Monsenhor. Honório, um sacerdote a serviço da igreja e de seu povo. Como Deus sabe o que faz, deixa o Dr. Ernani, o seminário no último ano em Fortaleza, perdendo a igreja o que seria um grande padre, ganhando a música um grande maestro, a ponto de ser convidado pelo então Prefeito de Fortaleza, para reger a Orquestra Sinfônica e Coral daquela capital, no que não foi aceito, preferindo o Dr. Ernani, retornar à Natal. Mas o grande sonho do Dr. Ernani era ser um diplomata, ou talvez um médico. O grande amor de sua genitora por ele, o impediu essa realização de seu sonho, pois a mesma tinha perdido um filho na guerra. Como bom filho, Dr. Ernani se sacrifica para não abandonar a sua senhora mãe, já alquebrada pelos anos sentia muito a sua ausência quando ele era seminarista em Fortaleza.  Retornando a Natal, Dr. Ernani vai trabalhar no comércio. Com sua habilidade de vencer desafios, ingressa na Escola de Pilotagem do Aeroclube de Natal. Um fato interessante acontece, que quando Dr. Ernani pretende entrar na Escola de Pilotagem juntamente com mais dois companheiros, já existia uma turma formada por 25 homens e uma mulher. Essa mulher era exatamente D. Darque Saraiva, que numa votação para entrada dos novos companheiros, já que a turma estava um pouco adiantada, ela foi a única a votar contra. Depois de aceito na turma juntamente com outros dois companheiros, ao longo do curso, o Dr. Ernani, começa a se destacar chagando ao ponto de orientar os seus companheiros.  Depois de brevetado, passa a Instrutor, tendo D. Darque, como a segunda mulher a ser brevetada.  Como para o destino não tem empecilho, dois anos depois o Dr. Ernani começa a namorar D. Darque, justamente ela que fora contra a sua entrada naquela escola de aviação, juntamente com os dois companheiros. Posteriormente vem ser sua esposa, cujo casamento durou mais de cinquenta e oito anos, de um eterno amor. Dessa união nasceram os filhos, Mona e Amon, os netos Ernani Neto e Julie, Apolônia Mara, sua nora e Amon Flávio bisneto. Formando assim a prole do Dr. Ernani. Conheci Dr. Ernani em  março de 1962, quando ele era Secretário de Administração do Prefeito Djalma Maranhão, quando convidou o meu pai Mestre José Gomes de Melo, para a construção do Palácio dos Esportes, cuja construção foi inaugurada em 27 de dezembro de 1963. Em 13 de janeiro de 1964, meu pai é convidado para por Dr. Ernani, para iniciar o Canteiro das Obras do antigo Castelão. Em 1º de abril de 1964, a Revolução manda suspender as obras do Estádio. Detalhe que pouca gente conhece. O tempo passa, os nossos encontros se restringem a uma obra aqui e acolá que ele encarrega meu pai de executar.

Ataque tricampeâo do ABC em 1955, Mota, Jorginho, Macau, Bira e Tidão, foto arquivo: Ribamar Cavalcante ou Zé de Hipólito

Lembro que em dezembro de 1981, o ABC, está acéfalo, sem Conselho Fiscal e Deliberativo, foi quando provoquei, mesmo sendo apenas um torcedor, que solicitei uma Reunião Extraordinária do Conselho Deliberativo, por orientação do Dr. Raimundo Nonato Fernandes, diretor Jurídico. Para convocação era necessário ás assinaturas dos Conselheiros Natos,  e dos ex. presidentes, como determinava o Estatuto do ABC, e demais conselheiros para o quórum necessário,  essa reunião, se realizou em 28 de dezembro de 1981, na sede do Morro Branco, sendo o Dr. Ernani eleito por aclamação, com as desistências do Dr. José Gobat Alves e do Dr. Dinarte Mariz Junior.                   Daí por adiante, passa o Dr. Ernani organizar e reestabelecer a ordem no ABC, com seu trabalho de apaziguador inclusive na gestão do ex. Presidente Edson Teixeira. Durante  mais de 15 anos, fui seu braço direito, como secretário do Conselho Deliberativo,  desde as gestões dos ex. presidentes executivos: Rui Barbosa, Paiva Torres, Eudo Laranjeiras e José Wilson. Vale salientar, que neste período, aconteceram várias trovoadas oriundas dos relâmpagos anti-abecedistas. Falar das muitas atividades do Dr. Ernani, não é fácil, desde as suas atividades comerciais, esportivas, políticas, religiosas, culturais.  Etc. Destaco algumas: Ex. Presidente do ABC, quando em 1954, sagrou-se campeão das 4 dimensões: Infantil, Juvenil, Aspirante e Titular, daí surgem as 4 estrelas douradas no escudo do ABC. Foi presidente da Câmara Municipal de Natal, Prefeito de Natal. O 1º presidente da FENAT. Foi Venerável da Loja Maçônica Bartolomeu Fagundes e do Grão Mestre do GOIERN  Foi por  mais de 20 anos Presidente do Conselho Deliberativo do ABC, um recorde.  Também foi presidente da SOAMAR (Sociedade dos Amigos da Marinha), por vários anos. A sua grande paixão foi o ABC. “Não fiz nada pelo o ABC, foi o ABC que fez por mim”. No seu velório escrevi Dr. Ernani foi o outro lado do ABC. Dr. Ernani. Nasceu em Macau, em 25 de outubro de 1925 e faleceu em Natal, no dia 17 de março de 2012. Na Igreja do Bom Jesus das Dores, na Ribeira, além de tocar órgão, foi o fundador do Coral dos Jovens do Bom Jesus das Dores e também regente do Coral da Melhor Idade. Muitos dos jovens do Coral foram encaminhados na vida, graças ao trabalho educativo do Dr. Ernani. Era um católico muito fervoroso.

Ernani Silveira e Ribamar Cavalcanti, dois macauenses dedicados ao futebol potiguar

Morreu mas, deixa um legado de honestidade, muito diferente dos nossos tempos de hoje, onde os políticos só pensam em corrupção e mensalão. Foi um esposo exemplar, a sua união com D. Darque, é um exemplo para os casais de hoje. Mona confidenciou-me que durante os 58 anos de casados, nunca ouviu uma discussão entre Dr. Ernani e D. Darque, coisa muito difícil nos dias de hoje. Foi um pai que adorava os filhos e netos e o bisneto.  Como piloto, Dr. Ernani, foi o seu último voo, partindo da terra com destino a Eternidade.

Minha homenagem, e eternas saudades do amigo, José Gomes de Melo Filho. (Gomes de Melo) Muito obrigado.

Deixe uma resposta