Relato de uma vida em poesia: Gonzaga Filho

0

Doces e salgadas lembranças

Gonzaga Filho [*]

Foto E Vale, decada 1950, Rua Pereira Carneiro, arq. Tereza Cristina, in Macauísmos p. 163

 

Por Dona Maria e Seu Luiz

Nasci tão querido e amado

Em Macau na terra do sal

Tive o meu destino traçado

Filho de um pai estivador

Morador da Rua Pereira Carneiro

Que na vida não tinha vícios

Um homem pacato e ordeiro

No dia primeiro de Outubro

De mil novecentos e cinqüenta e nove

A bordo do Comandante Martini

É encontrado um corpo que não se move

Era o corpo do meu pai

Vítima de um acidente fatal

Que cumprindo sua missão

Foto E. Vale, 1940, barcaças e navios no Lamarão de Macau, p. 69 do livro O Sal ... de Dioclécio Duarte

Foi soterrado pelo sal

Minha mãe ficou viúva

Com três filhos para criar

Sofrendo com as necessidades

Passou a costurar

Em novembro de sessenta e quatro

Viajamos a bordo de uma Rural

O motorista era José Bonifácio

Que nos levou até Natal

Chegamos à casa da minha avó

Tivemos uma recepção bem fria

Dava para sentir o desprezo

No olhar do meu tio e da minha tia

Alugamos uma casa nas Rocas

Onde tive alegrias e decepções

Alegria de poder estudar

Decepção com padrasto machão

Cinco anos haviam se passado

Do início de nossa agonia

Desde que o meu pai nos deixou

Eu, minha mãe, Izabel e Maria

Não tenho lembranças do meu pai

Mas a saudade me magoa

Com a certeza que com ele vivo

Nossa vida teria sido muito boa

Hoje eu peço a meu Deus

Que conserve a sua alma em um bom lugar

Pois enquanto eu não for para o seu lado

Aqui ficarei para ele somente a orar

 

[*] Gonzaga Filho é poeta e editor do blog que vale a visita: http://celeirodetalentos.blogspot.com

 

Deixe uma resposta