Uma poesia de Horácio: o tempo, inclemente tempo!

0

                   CAFÉ DA MANHÃ

                                      “De toda a memória somente vale

                                                                o dom esclarecido de evocar os sonhos.”

                                                                               (Antonio Machado)

 Muito havia a conquistar  -

e quase tudo fora conquistado.

 

No meio do caminho, afinal, indago:

 

O que, ao tumulto, sobreviveu?

 

O que esperar dos despojos

dos dias infinitos?

 

Tesouras do tempo

-  Nada.

 

Mas, enfim, posso pisar na serpente,

agora morta,

e tomar o meu café da manhã,

serenamente.

 

(Horácio Paiva)

Deixe uma resposta