Macau e Guamaré no rumo certo: RDS e o barco solidário

PROJETO REDE CIDADÃ NO BARCO SOLIDÁRIO

 

Foto Tiago Ezequiel, 2011 Projeto Barco Cidadão

EVENTO: CERTIFICAÇÕES DE MORADORES TRADICIONAIS DOS CURSOS GESTÃO DEMOCRÁTICA DE PROJETOS COMUNITÁRIOS, TURISMO COMUNITÁRIO, ARTESANATO COM REJEITOS DA PESCA E SEGURANÇA PARA PESCADORES ARTESANAIS: COMUNICAÇÃO E LOCALIZAÇÃO.

Data: 6 de junho de 2012  -  Local: Rancho Petrobras de Desenvolvimento Sustentável – RDSEPT

Foto Tiago Ezequiel 2011, Ponta do Tubarão na RDS

PROGRAMAÇÃO

Abertura. Composição da mesa. Entrada dos alunos. Fala da mesa.

Apresentação cultural – Grupo de Teatro de Ponta do Tubarão,

Apresentação da História da Reserva Ponta do Tubarão e do Projeto Rede Cidadã no Barco Solidário

Depoimentos de alunos por curso.

Entrega dos certificados e souvenirs pelas autoridades

Visita aos stands dos cursos

Coquetel.

A RESERVA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL ESTADUAL PONTA DO TUBARÃO

A Reserva de Desenvolvimento Sustentável Estadual Ponta do Tubarão foi criada por iniciativa da população das comunidades tradicionais Diogo Lopes, Barreiras e Sertãozinho como forma de garantir aos moradores e principalmente aos pescadores o direito a terra, o acesso a praia e pesqueiros e a continuidade de sua atividade tradicional. Durante o III Encontro Ecológico de Diogo Lopes e Barreiras, em 05 de Junho de 2003 a governadora Wilma de Faria assinou o Projeto de Lei de criação da RDSEPT, que encaminhado a Assembleia Legislativa foi aprovado em 18 de Julho de 2003 pela lei 8.349/2003.  Problemas comuns às praias do Brasil, como a vulnerabilidade das comunidades pesqueiras tradicionais, turismo predatório ou de massa, êxodo rural para as favelas dos centros urbanos, pescadores artesanais desesperançados na profissão, com baixa-estima. Outros aspectos são a vulnerabilidade das drogas, jovens e adultos, montados em uma educação que não os leva a acreditar no seu potencial empreendedor e falta de possibilidades de geração de renda e oportunidade de trabalho, levando-os a procurar longe das comunidades subempregos ou a fuga na drogadição. Dessa forma algumas lideranças que se uniram para a criação da RDSEPT apresentou resistência a esse destino de vulnerabilidade, e como um dos resultados foi a construção do Projeto Rede Cidadã no Barco Solidário.

Foto: Tiago Ezequiel, 2011, RDS Ponta do Tubarão em Macau e Guamaré

 

SOBRE O PROJETO

O Projeto Rede Cidadã no Barco Solidário está sendo executado na Reserva de Desenvolvimento Sustentável Ponta do Tubarão – RDSEPT pelos próprios moradores tradicionais, Ele tem origem em concorrência pública do Programa Petrobras Desenvolvimento e Cidadania, sendo um dos 113 dos cerca 4800 que concorreram em 2010!  O projeto foi um recorte das necessidades mais imediatas das comunidades pesqueiras da RDSEPT – Barreiras, Diogo Lopes e Sertãozinho- para culminar com geração de emprego e renda. O público-alvo são os moradores tradicionais principalmente os pescadores artesanais, donas de casa e micro empreendedores. Um grupo representativo da RDSEPT fez um curso preliminar de elaboração e gestão de Projetos comunitários.  A construção levou em conta as ONGs locais, o Grupo da Pesca e Turismo do Conselho Gestor da RDSEPT, as recomendações dos Encontros Ecológicos que orientou um planejamento estratégico e de gestão para melhorar a geração de renda e a oportunidade de trabalho através da dinamização da cadeia produtiva das comunidades pesqueiras da RDSEPT. Dessa forma este projeto propõe a implantação de três eixos: o primeiro a educação de um grupo de moradores nas áreas de Gestão de Projetos Comunitários para um público com 2º Grau ou mais. Uma capacitação em Turismo comunitário para micro empreendedores que sejam ou se interessem pelo tema. Por outro lado ensinar técnicas de artesanato com rejeitos de pesca tendo como foco as donas de casa e aumentar a segurança da pesca artesanal dando aos pescadores cursos de GPS e rádio comunicação. Isto devido a não existência destes instrumentos de localização e comunicação em suas embarcações. O segundo eixo a construção da infraestrutura com um Centro de negócios e um barco e outras estruturas para apoio a pesca artesanal e ao turismo comunitário. O terceiro eixo é implementação da Rede Cidadã constituída dos próprios moradores com oferecimento dos serviços e produtos.