Das recordações da mecanização das salinas: Doutor Quípi

 

Máquina colhendo sal, 1964, Companhia Comércio e Navegação, Macau-RN

Bem, todos o conheciam como doutor Quípi, com certeza a escrita é de outra forma, pois ele talvez fosse alemão. Era o que diziam, mas a pronúncia era esta mesma,  doutor Quípi. Parece-me que  era engenheiro  e veio para Macau naquele processo doloroso de substituição dos homens pelas máquinas. Trabalhava para a CCN, a Companhia Comércio e Navegação. Morava na ilha de Alagamar vizinho a Seu Manoel Casado, “o rei de Macau”.  Ele comprava leite no curral de Luiz Bezerra e ficavam conversando por muito tempo ali no curral.  A mulher dele também era alemã como diziam, e se chamava Elizabeth. Ela amparava cachorros abandonados, cuidava deles e depois os soltava, curados.  Eles tinham uma filha que fazia o magistério no Colégio da Conceição que era o Ginásio do Padre. Entre eles só falavam a língua deles.