Tamarindo, limão e briga: Uma história da banda de música

Uma história da Furiosa.

 

Foto E Vale, 1950, Banda em dia de desfile na rua da Frente, arq. Francisco Gama

Nos anos sessenta, quando o prefeito de Macau era o Sr. Albino Melo, aconteciam todos os domingos uma retreta na Praça da Conceição.

 Certa feita um grupo de rapazes, Marcio, Jací, Zito, Alberto Melo, Aluízio Montenegro, este escriba e outros, após uma domingueira de birita na praia de Alagamar resolveram tumultuar a retreta. Conseguiram uma porção de tamarindo e limão e começaram a chupar defronte aos músicos. Resultado, como todos sabem estas frutas causam um excesso de saliva impedindo que os músicos de soprarem seus instrumentos consequentemente executarem as musicas.

 Depois de vários apelos do maestro para que os rapazes parassem a provocação, começou uma briga generalizada e a retreta foi suspensa.

O interessante é que entre os rapazes do tumulto tinha um filho e um sobrinho do prefeito que bateram e apanharam, mesmo assim nenhum musico foi punido ou afastado da banda. Bons tempos aqueles.

De Getulio Teixeira [getulioteixeira50@yahoo.com.br] para o baú de Macau