Petróleo e acidente: Macau nos anos cinquenta

O blefe da Petrobras.

 

Plataforma marítima da Petrobrás, 2011, arquivo de Bevenuto Paiva

No final dos anos cinquenta técnicos da Petrobrás vieram para Macau e ficaram hospedados no antigo hotel de Dona Irene, na Praça da Conceição, com a finalidade de pesquisar a existência de petróleo na região. O velho hotel serviu de escritório e alojamento dos funcionários.  A cidade toda se empolgou com a chegada da empresa petrolífera;  o comercio, com a perspectiva de aumento das vendas; os rapazes com possibilidade de novo campo de trabalho e as mocinhas com a presença de mais rapazes solteiros. Alguns casamentos surgiram e a vida boêmia aumentou. O campo de pesquisa era situado próximo ao Distrito de Barreiras onde hoje é a Salina Soledade. A torre de perfuração era toda em aço e tinha uma altura bastante significativa.

Uma noite de sábado, acontecia um show com cantores locais nos estúdios da Prefeitura, comandado por Luiz Gomes, o nosso Cid Moreira tupiniquim, quando adentra ao recinto um funcionário da Petrobras pedindo que fossem convocados todos os funcionários, pois a torre de perfuração estava caindo. Formou-se um imenso alvoroço e todos foram atender ao chamamento.  Após todo esse tumulto os boatos tomaram conta da cidade, alguns diziam que tinha sido descoberto um lençol de petróleo, outros que existia uma caverna e que a mesma tinha desabado e a torre de perfuração ameaçava cair. Logo foi montada uma verdadeira operação de guerra, compraram todo cimento existente na praça e toda farinha de trigo também foi utilizada para fechamento do poço.

Após o acidente,  a empresa vedou o poço e levantou acampamento da cidade sem nenhuma explicação plausível às autoridades nem à população. A verdade nunca foi esclarecida. Hoje, bem próximo do local do poço acidentado existem vários poços em atividade.

De Getulio Teixeira [getulioteixeira50@yahoo.com.br] para o baú de Macau