Bar Boa Sorte, das recordações de Getúlio

 

Seu Santos, década 1970, Bar Boa Sorte

Durante anos foi o ponto de encontro de muitas gerações de macauenses. Primeiro, próximo do antigo mercado, depois na praça da Conceição, coração da cidade até fechar em definitivo  lá pelos setenta, oitenta. Local de boêmios e jogadores de sinuca, verdadeiro Clube do Bolinha onde mulher quase não pisava. Na entrada, um salão enorme com mesas de sinuca e um bilhar, no segundo salão as mesas e cadeiras do bar.

O dono, Augusto Coutinho dirigia tudo com pulso de ferro mantendo respeito e bom atendimento.  Por trás do seu birô, na parede, a célebre frase, “Se você tem educação demonstre, mas, se o ambiente não é o seu retire-se.”. Era definitivo.

O tira gosto, ovos cozidos e camarão na casca. E como Augusto conhecia todos, assim que sentavam à mesa e pediam bebida, ele já mandava o tira-gosto de acordo com as posses do freguês. Seu filho Wellington era quem servia e quando o tira gosto era rejeitado ouvia-se a seguinte frase: Só paga se comer! Dificilmente o prato era devolvido e poucos resistiam o marketing da casa.

O bar tinha seus fregueses cativos, lembro muito bem de dois deles, Antonio de Brito, o Ceguinho e Arlindo Albuquerque, o Cabo Arlindo, conferentes de cargas de navios. Ceguinho era um eterno apaixonado por Nilza Dantas, a antiga namorada e quando a bebida subia à cabeça iniciava suas juras de amor transformadas em longos discursos concluídos sempre com a frase, nunca mentindo. Já Cabo Arlindo primava por tira gosto inusitado, uma só pitomba que acompanhava as muitas cervejas, que as bebia geralmente sozinho.

O salão de sinuca era bem  frequentado por amadores e profissionais do pano verde.  Grandes jogadores se destacaram na arte de manejar o taco, Raimundinho Chambota, Mercinho, Cachimbo, Sabará, Zito e Zé de Aristóteles. No bilhar posso citar Rui de Lucila, Aldo Coelho e Geraldo Cornélio.  Como o pagamento só acontecia após o jogo, seu Augusto inventou uma maneira de evitar o calote criando o famigerado caução obrigando o jogador a fazer um depósito prévio correspondente ao tempo que pretendia jogar. O pagamento do aluguel da sinuca era por hora e tempo esgotado, partida interrompida. Também não arriscasse o jogador a pedir as bolas se estivesse devendo. Alguém gritava lá do fundo:  Pode não, você tá na cruz!  Restavam duas saídas ao devedor, pagasse a conta ou pagasse a partida, adiantada.

Por fim, seu Augusto comandava tudo com a batida forte da aliança em cima do birô e todos ficavam atento ao serviço.  O velho Augusto Coutinho dirigiu o Bar Boa Sorte por muitos anos e mesmo sendo um lugar de bebidas e jogos, nunca foi registrado uma briga de maiores proporções.

De Getulio Teixeira [getulioteixeira50@yahoo.com.br] para o baú de Macau