Teu olhar inocente: uma poesia de Nair Damasceno

Encaminho para o Baú o olhar que me despertou para as desigualdades sociais no Brasil e que me persegue há várias décadas. Quero dividi-lo com alguém… 

Teu Olhar Inocente

                        (Dedico essa poesia a Emmanuel Bezerra dos Santos  torturado         

                             e morto nos porões do Doi Codi em 1973)

 

Teu olhar inquieto

Me acompanha dia a dia;

Teu olhar

Como quem trilha caminhos

Em busca da verdade

Ficou  em minha memória

E me persegue

como quem faz confidências.

 

Teu olhar instigante

Como quem hoje busca uma resposta

Grita a todo instante

Em defesa do jovem

Que não entendeu

Ou não quis ouvir tua mensagem

Optando hoje pela marcha da maconha.

 

Teu olhar triste

Na defesa de que prostituição

Não é vocação, é imposição sócioeconômica

Surge de vez em quando

 

E me enche de amargura

Por tua alma pura.

 

Não tiveste tempo para amadurecer

Tua crença em um novo mundo,

E nem te deixaram descobrir por si

O homem e todo seu lado imundo…

 

Imagino o olhar que eu não conheci

Sentindo o teu corpo mutilado

Em tua última agonia,

Depois extinto para sempre.

 

Penso:

Qual o olhar que terias

Nesses dias

E qual o livro me sugeririas

Para ler?

 

Não sei… não sei,

Só sei que nunca consegui

 

Nem nunca conseguirei

 

Me libertar do teu olhar…

 

Em 30 de outubro de 2012.

Nair Damasceno é poeta e escritora, autora de  Poetando, cantos e desencantos.

É colaboradora do baú de Macau.