Estivadores: 1935 em Macau

 

E. Valle, 1950, trabalho dos estivadores: barcaças com sal para os navios no Lamarão

Dos acontecimentos de 1935, a tomada do poder em Natal pela Aliança Nacional Libertadora [ANL] em 23 de novembro de 1935, restou para Macau, dentre outros episódios contra as lideranças sindicais,  a prisão e destituição do presidente do Sindicato dos Estivadores, Pedro Romero de Barros.  Muitos historiadores citam a grande influência que o Partido Comunista Brasileiro tinha entre os estivadores e a proposta da criação de uma central única dos trabalhadores, fundamental para o encaminhamento das ações revolucionárias. Derrotado o governo provisório da ANL em Natal, imediatamente, em todo o Rio Grande do Norte, os considerados apoiadores do movimento foram presos. A transcrição da Ata da sessão extraordinária do Sindicato dos Estivadores de Macau realizada em 29 de novembro de 1935, três dias após a retomada do poder, é um documento histórico de grande  importância que não escapou à percepção do Professor Benito Barros [1957/2010] que o transcreveu à página 123 do Macauísmos – Lugares e Falares Macauenses – 2ª edição. No verbete da Praça  Joaquim Honório.

É uma assembleia singular. Foi presidida pelo juiz de direito da comarca à época Amaro de Souza Marinho com a presença do delegado de polícia, sargento da Polícia Militar, o tabelião do cartório e um representante de uma empresa de navegação. O que faziam essas pessoas numa assembleia de estivadores só o episódio da luta de classes e correlação de forças pode explicar. A reunião é aberta por Eloy Barbosa Pimentel, secretário do Sindicato que “convida” o juiz de direito para assumir a presidência da sessão. Em seguida o juiz Amaro Marinho informa que Pedro Romero de Barros não poderia mais ser o presidente do sindicato por estar preso  “suspeito por ideias extremistas” e propõe a dissolução da diretoria do sindicato e a expulsão de Pedro Romero de Barros dos quadros do sindicato. Feito isso elegeram uma nova diretoria para o sindicato com pessoas da inteira confiança getulista.

De Claudio Guerra para o baú de Macau.

Ata Sindicato dos Estivadores 29 de novembro 1935

Acta da sessão extraordinária do Sindicato dos Estivadores. Aos vinte nove dias do mez de Novembro de mil novecentos e trinta e cinco, nesta cidade de Macau, em a sede provisória, do Sindicato dos Estivadores, pelas quinze horas, presentes Dr. Amaro de Souza Marinho, o terceiro sargento Demosthenes Barbalho delegado de Policia, o cidadão Alipio Carmo, Tabelião Público, o cidadão Raul de Souza Ramalho adj. Promotor, o cidadão Manoel Diaz agente da Comp. Nacional de Navegação Costeira, ahi reunisse 82 associados, cendo nesta mesma ocasião aberta a sessão pelo associado Eloy Barbosa Pimentel, que com a palavra convidou o Dr. Amaro de Souza Marinho para sentar-se na cadeira da prezidência para dirigir os trabalhos da mesma reunião. Assumindo a prezidência o mencionado Dr. Amaro de Souza Marinho que uzando da palavra explicou a colletividade, que diante dos acontecimentos dessenrollados, não pudia mais continuar como presidente dessa associação de classe, ou por outra, a frente dos destinos da mesma, pois o mesmo Pedro Romero de Barros, se acha preso e recolhido a cadeia publica desta cidade em virtude de ser o mesmo suspeito por ideias extremistas e achar-se envolvido em um processo dentro da Lei de Segurança Nacional no seu artigo 19, declarou mais que propunha também que fosse dissolvida toda directoria e expulsaçe do quadro social o referido Pedro Romero de Barros, por ser o mesmo considerado, elemento nocivo a classe. Em seguida foi pela coletividade aceita e aprovado as palavras do referido Amaro de Souza Marinho presidente de honra que dirigiu os trabalho. Verificada a expulsão do mesmo Pedro Romero Barros, foi efetuado a eleição para o nova directoria, que tem de reger os destinos da mesma associação durante o anno de 1936, verificando o seguinte rezultado: Presidente Murilo Bezerra da Silva, por unanimidade de votos, secretario José Bernardo de Araújo, segundo secretario Francisco Lino Tetéo, Thezoureiro Agostinho Alves de Paiva, procurador Antonio Oliveira Netto.

Livro de Actas das sessões da Commissão Executiva e das Assembléas Geraes do Syndicato dos Operarios Estivadores

Página 123 de  Macauísmos – lugares e falares macauenses, 2ª. Edição – Benito Barros.