Ligas camponesas em Macau [1963] – Relatório Veras

Fui fustigado bastante pelo fato de haver levado Julião e Padre Alípio à minha cidade salineira. [ex-deputado Floriano Bezerra]

Deputado Francisco Julião e Padre Alípio de Freitas – [Macau, 1963]

 

imagem Google

O Brasil estava em franca mobilização política pelas Reformas de Base [1] – defendidas pelo Governo João Goulart. Em Macau esteve o Dr. José Mayrink, grande expressão política do PRP – Partido de Representação Popular, do Escritor Plínio Salgado [2]. Em conferência pública, fez proselitismo do fascismo e deixou muita gente engabelada nas fantasias de sua retórica, senão de suas metáforas ricas de confrontos com fatos e costumes do Brasil.

- Logo, abri entendimento e trouxe à cidade, o Deputado Federal Francisco Julião [3] e o Padre Alipio de Freitas [4], ambos engajados na grande causa libertária do povo brasileiro, de par com mobilização do povo do campo agrário, sedimentando a marcha história do proletariado ao Poder da República. Em massa os trabalhadores e boa parte das famílias e juventude macauenses  marcaram presença, tendo a conferência pública dos preclaros líderes do povo, alcançado grande atenção popular, erradicando ervas daninhas  então semeadas pela retórica refinada e cáustica do líder José Mayrink, quando de sua presença na cidade.

Dai fomos em frente com nossas bandeiras e reinvindicações socais priorizando as grandes causas da nação brasileira, fazendo o povo pensar em novos e melhores horizontes de vida, construindo o amanhã de uma sociedade justa, fraterna, ética, humanista,  e verdadeiramente igual na ordem econômica, política e social.

Dia 15 de abril/64, na minha prisão no quartel do 16º RI, em Natal, não deu outra. Nos interrogatórios [5] fui fustigado bastante pelo fato de haver levado Julião e Padre Alípio à minha cidade salineira.

Ressalto que os dois mencionados  revolucionários  latino-americanos, na conferência, como que fizeram profecia do que viria  acontecer com um famigerado golpe militar no país. Irra! Ainda hoje as coisas acontecem como previram. Por isso a História é via de luz para as gerações  que chegam e hão de vir.

Página 284 – Minhas Tamataranas – linhas amarelas – memórias – Ex-Deputado Floriano Bezerra de Araújo – Sebo Vermelho – 2009 – Natal[RN]

As notas são do baú de Macau

1 – Reformas de Base do Governo João Goulart:  De acordo com Caio Navarro Toledo, professor da UNESP e autor do livro O governo Goulart e o golpe de 64, o governo  Goulart nasceu, conviveu e morreu sob o golpe de Estado.  A chamada Reformas de Base, previa ampla reforma do Estado nos setores agrário, bancário, administrativo, fiscal, eleitoral  e urbano. Previa a reforma agrária com desapropriações de grandes propriedades, o controle da remessa de lucro pelas empresas estrangeiras, dentre outra alterações. Não era uma reforma radical e as medidas não afetavam o capitalismo e nem a propriedade. Tinha cunho popular, social e nacionalista e buscava, com antecedência, evitar futuros problemas que já se apresentavam para o governo, como a forte migração do campo para as cidades e as demandas dessa população por habitação, saúde, educação, etc.  

2 – Plínio Salgado [1895-1975] jornalista e escritor, deputado estadual em São Paulo [1928], deputado Federal pelo Paraná [1958], deputado federal por São Paulo [1962] e após o golpe de 1964 e a extinção dos partidos, filiou-se à ARENA, hoje DEMOCRATAS e elegeu-se deputado federal por São Paulo por duas vezes;   fundador da Sociedade de Estudos Políticos [1932], fundador da Ação Integralista Brasileira – AIB [1932] e do Partido da Representação Popular –  PRP  [1945]. Figura exponencial do Integralismo, filial do nazi-fascismo em terras brasileiras, a partir de 1934 toma corpo como movimento armado contra os comunistas. No Rio Grande do Norte o folclorista Câmara Cascudo foi a figura mais importante do integralismo.

3 – Francisco Julião – Francisco Julião Arruda de Paula [1915-1999], deputado estadual; deputado federal [1962] por Pernambuco [ PSB-PST], foi advogado  [1955] da associação de pequenos produtores rurais de Pernambuco que depois transformou-se nas Ligas Camponesas -movimento de pequenos produtores e trabalhadores rurais que lutavam por melhorias para o campo e reforma agrária. Em 1959 Francisco Julião foi aclamado como o líder máximo das Ligas Camponesas. Francisco Julião foi cassado pelo golpe de 1964 e ficou exilado no México.

4 – Padre Alípio de Freitas – português naturalizado brasileiro, nasceu em 1929. Ordenado padre 1952 veio para o Brasil. Em 1962 rompeu com a igreja e passou a militar nos movimentos populares. Ajudou na fundação das Ligas Camponesas pelo nordeste brasileiro. Após o golpe de 1964, asilou-se no México e depois em Cuba. Retornou ao Brasil em 1966 e pertenceu à Ação Popular, organização que lutava contra a ditadura. Vive em Portugal e tem participado do Fórum Social Mundial.

5 – Interrogatório em Natal – abril de 1964 – Conhecido como Relatório Veras em razão do nome do chefe da investigação Carlos Moura de Moraes Veras. A investigação foi realizada a mando do governador Aluizio Alves e contempla toda a apuração composta de interrogatórios e as chamadas provas materiais. O relatório é dividido em núcleos, como o sindical, estudantil, intelectual e Prefeitura do Natal . A divisão nos remete à lembrança de recente investigação em solo pátrio que acabou por condenar baseado em suposições, tal qual foi em 1964 em terras potiguares. O ex-deputado Floriano Bezerra é citado por 19 vezes apenas na primeira parte do relatório.