Oh! Bendito que semeia Livros… livros à mão cheia…

Com os versos do poeta Castro Alves o baú de Macau presta sua homenagem a todos os que participaram da bela festa em Macau. A descrição do evento de literatura, ternura e companheirismo nos dá a certeza que ainda é possível lutar pelas utopias.

Daniel e Getulio na semeadura dos livros. A ICEC vive!

Depois de quase um mês de preparativos e longas conversas entre os envolvidos para decidir os detalhes, por mais triviais que fossem, aconteceu na primeira sexta-feira de dezembro (07) o lançamento de três obras de grande relevância para cultura de Macau. A ICEC – Imperial Casa Editora da Casqueira, promoveu o lançamento de suas três mais recentes obras: 20 Sonetos Impuros e Outros Poemas, de Alfredo Neves;  A Torre Azul, de Horácio Paiva; e A Guerra da Coréia, de Benito Barros. O evento, produzido paralelamente a festa da Conceição, aconteceu no Teatro Escola Ressurreição, um espaço inaugurado este ano e que tem capacidade para eventos de grande porte, além de climatização agradável e conforto. Dr. Marc Alfons recebeu o evento de braços abertos e se juntou a ICEC na sua produção.  O evento conseguiu arrebanhar um público considerável de fiéis da cultura macauense que foi brindado por uma Dorotéia Dantas muito iluminada como mestre de cerimônias. Além de estar sempre disposta a ajudar, ela estava em seus melhores momentos, conduzindo o evento como só ela consegue.

Antecederam as palavras de cada autor sobre suas obras alguns slide-shows de muito bom gosto confeccionados por Francilúsia Xavier, além de um sarau de poesias realizado pelo grupo de teatro Ponta do Tubarão, capitaneado por Tiago Ezequiel. Representando o poeta Benito Barros, sua amiga, a jornalista Regina Barros, fez um emocionante resgate de lembranças de sua vida com o Imperador da Casqueira, e falou um pouco dos primórdios da ICEC. O irmão de Benito, o também poeta Getúlio Vargas M. Barros, falou um pouco sobre a importância do evento e leu uma carta escrita pelo jornalista Geneton Moraes Neto, que falava sobre a natureza de Benito “Poeta desgarrado, ovelha solitária, solista desafinado, o dissidente Benito, enigmaticamente, ficava contemplando estrelas na janela”.

A Guerra da Coréia é uma produção do Baú de Macau, do querido Cláudio Guerra, em parceria com a ICEC, trazido pra ser lançado em Macau por iniciativa do poeta João Vicente Guimarães, o nobre Marquês da Casqueira. O livro trata com muito humor uma parte importante da história de Macau. A jornalista Ana Santos recitou um verso de Alfredo Neves, logo em seguida Dalvaci, esposa do poeta, recitou um a procura do autor pelo amor. Quando Alfredo falou, relembrou suas lutas pessoais e suas dificuldades com profissional para ver sua obra impressa, além de agradecer e declarar seu enorme carinho por Macau, sua terra do coração. O livro 20 Sonetos Impuros e Outros Poemas é a quarta obra de Alfredo Neves publicada pela ICEC. O livro possui uma poesia saudosista, moderna, muitas vezes militante. Poemas que compreendem o mundo a sua volta e o atiram em versos de volta em que lê. Por fim, eis que surge no horizonte a Torre Azul.  Horácio, com seu semblante sempre amigável, nos lembrou da coincidência de o teatro estar localizado num local que já foi de propriedade de sua família, logo que eles se estabeleceram em Macau, no fim do século XIX. Falou com saudade dos idos tempos de Macau. A Torre Azul é o segundo livro lançado por Horácio Paiva, uma parceria da UBE (União Brasileira de Escritores) e da ICEC. Seus poemas estão impregnados de temas como religiosidade, amor e muita saudade.

Recebemos ainda o diretor da fundação municipal de cultura, Chico Paraíba, que falou um pouco sobre a importância do evento para Macau. A Fundação Municipal de Cultura, através de Valdemir Nunes, foi um dos colaboradores mais vitais na execução de toda programação deste evento.  E para encerrar a noite tivemos a palavra do editor da ICEC, Getúlio Moura, que relembrou como tudo começou num ateliê de pintura, com conversas entre ele, Benito Barros e João Vicente Guimarães, e que se tornou uma realidade sólida, com mais de 35 livros publicados e outros já em pré-produção, como o aguardado Metamorfoses, da poetisa Aldenira Oliveira.  Ao fim das apresentações foi servido um coquetel para os convidados, organizado pelo talentoso Márcio Luiz. Muitas conversas e divertimento, o saldo da noite foi muito positivo. Não só por ter tido uma boa vendagem de livros, não só por ter um público agradável, não só por ter corrido tudo como a organização queria. Era algo diferente. O clima estava diferente, “abençoado”, nas palavras de Regina Barros.

Texto de Daniel Nasser –  http://subrosa13.blogspot.com.br/2012/12/icec-2012.html