Do poeta Horácio Paiva, O natal de São Francisco

 

Pássaro ferido, 2011, Clarissa Guerra

São Francisco refletia

sobre as chagas de Jesus

e a esperar se quedava

transido de frio e jejum.

 

 Que procurais São Francisco

nesta noite de Natal?

A quem chamais, pobrezinho

na noite fria de Assis? 

 

 Já não tendes o presépio

e vossa fé bem plantada?

Vosso bordão, vosso hábito

e as vossas orações?

 

 As sete chagas chamais

de Nosso Senhor Jesus Cristo

profundo e simples quereis

compartir a sua sorte.

 

 Há uma estrela a guiar

o caminho até as chagas

há o sangue derramado

sobre a neve sossegada.

                                    (Horácio Paiva – Natal de 2012)