De Nair Damasceno, Paz, saúde e muita luz nesse natal e para o ano que iniciará em poucos dias.

Senhor de Todas as Coisas

 

Rio Assu no delta de Macau

Naqueles dias o vento andava bastante aborrecido com o tempo; talvez estivesse ferido em seu orgulho.  O tempo era inatingível, seguia sempre no mesmo sentido, não retrocedia, não dava curvas ou se baixava; nada o abalava. Não se tinha informações sobre como  e quando  surgira; não obedecia às leis da natureza, não envelhecia e era imutável em todas as coisas.

 Agia como fosse um grande rei, senhor de tudo. Passava e carregava tudo de forma lenta e discreta ignorando tudo em sua volta, um pouco parecido com um rio, só que ninguém sabia para onde ia, ninguém jamais descobrira onde desaguava tantas coisas que levava. Às vezes dava a impressão que tinha  um percurso cíclico já que levava e trazia as mesmas coisas, só que com vestimentas diferentes: paz, guerra, dor, amor, risos, lágrimas e o que é mais terrível, criancinhas, idosos, sentimentos nobres e mesquinhos; Levava inclusive  a lucidez, a juventude  e a energia alfa e beta juntas.

Como seria? Teria longos e poderosos tentáculos? Ninguém sabe, nunca  ninguém viu..

Naquele dia o vento cheio de ira começou a soprar mais forte, mas o tempo continuou impassível; então, possesso em sua ira soprou cada vez mais forte, mais e mais, tão forte que aconteceu um vendaval no mar e na terra com ondas gigantescas, árvores arrancadas, rios inundando e  arrasando tudo sem dó nem piedade. Passada a  ira do vento ele voltou a soprar suave como se nada tivesse acontecido.

O tempo continuou inatingível e inabalável como sempre fora, não se apiedou daquela desgraça; trouxe e levou amores que acreditavam serem eternos, saudade, tristeza e tudo que sempre transportava.

 Então a dor, a solidão, a vida, a morte e todos os demais entes se inclinaram aos seus pés: ele era realmente o “senhor de todas as coisas”, não tinha princípio nem fim…                                                                                                         Nair Damasceno