Um telegrama de Café

0

f goes cafe filho dr fernando 1955Devo ao colaborador deste sítio, Fernando Carvalho de Gois Filho a oportunidade na abordagem do tema em razão do telegrama de 1955 [ver ilustração] do então Presidente da República, o potiguar Café Filho com pedido ao presidente do IAPTEC – Instituto de Aposentadorias e Pensões dos Empregados em Estivas e Transporte de Cargas sobre a transferência do médico Fernando Carvalho de Gois [pai de Fernando] de Macau para Natal.

 

 

Desde o final da primeira grande guerra [1914-1918] o país experimentava o crescimento da classe trabalhadora via migrações da Europa e Ásia e uma tímida migração interna do campo para a cidade. Os institutos foram criados a partir do crescimento e organização dessa classe trabalhadora que trazia da Europa as idéias de associações de classe, sindicatos, clubes sociais e institutos de aposentadorias e pensões. De início eram chamadas de caixas de aposentadorias. Estas caixas foram institucionalidadas por lei e em 1930 transformadas em institutos.  

Macau, à época, uma das cidades mais importantes do Rio Grande do Norte teve delegacia de quase todos os institutos destacando o IAPI dos [trabalhadores da indústria salineira], o IAPM [trabalhadores marítimos] e o IAPETC [trabalhadores de estivas e transporte de cargas]. Nacionalmente, os institutos mais importantes foram criados a partir de 1933 como o IAPM [Marítimos], Em 1934, o IAPC [Comerciários] e o IAPB [bancários]; em 1936, o IAPI [Industriários]; em 1938, o IAPETC [Estivadores e Transportes de Cargas]. Em 1966 a ditadura de 64 extinguiu todos os institutos e criou o INPS, o Instituto Nacional de Previdência Social.

Café Filho [1899/1970] Presidente do Brasil de agosto/1954 a novembro/1955

Café Filho [1899/1970]

Faço duas observações sobre o documento.  A primeira com relação ao nome do destinatário que no documento consta IAPETRANS que era o endereço telegráfico – o nosso e-mail — do IAPETC. A outra observação é que a presidência desses institutos era de nomeação direta do Presidente da República que assim mantinha controle político e econômico dessas organizações.  

De Claudio Guerra para o baú de Macau

Deixe uma resposta