Uma poesia para Macau, de Izan Lucena

0

Macau

Getulio Moura, 2011, Ilha da Cambuba, Macau RN

 

És linda

Cidade do meu amor! Macau linda,

como te guarda o meu saudoso olhar!

Velas ao longe… As salinas cristalizada,

e uma terra a nascer da água do mar…

 

 

 

Um céu de estrelas que entrevejo ainda.

 Sob a ponte, o rio a se estirar…

 Noites de lua… Que saudade infinda…

 brancas… Que dão vontade de chorar…

 

Filho ingrato… Parti… Mas nem um dia,

 deixei de te lembrar, por mundo alheio,

 onde me trouxe a glória fugidia.

 

Macau, quando eu morrer, piedosa e boa,

 em que durma o meu sono no teu seio,

 como um seio de Mãe que ama e perdoa…

 

                                                         Izan Lucena [izanlucena@uol.com.br]

Deixe uma resposta