Metamorfose de Aldenira de Oliveira

0

Metamorfose Aldenira de OliveiraEnfim a poesia e a prosa poética de Aldenira de Oliveira em livro. Como ela mesmo afirma  no agradecimento a Daniel Nasser, “Desagradeço, mas também não posso deixar de agradecer… Fazer o quê?  O baú de Macau agradece a insistência de Daniel quanto à publicação  e parabeniza pela sincera apresentação e ainda a todos os que tornaram possível o livro: Marc Alfons, Getúlio Moura, João Vicente, Gabi Barbalho, Conceição Peres e Benito Barros [1957-2010]. Um agradecimento especial a Aldenira por compartilhar sua arte com todos. A poesia de Aldenira faz o mundo melhor.  

De Claudio Guerra para o baú de Macau

 

 

Autora: Aldenira de Oliveira

Obra: Metamorfose, Offset Editora e Imperial Casa Editora da Casqueira, Macau-RN, 2013, ISBN: 978-85-65739-34-4

 

 

Envelhecendo

Às vezes olhava velhas fotos e cartas suas e sentia vontade de chorar, meus braços perdiam a vida e o meu corpo caía debruçado à escrivaninha. Era como se o tempo passasse por mim cansado, lento…  eu estava dormindo sobre as velhas fotos e cartas suas.

Amanhecia no quarto, enquanto o sol caminhava lento através das frestas das janelas fechadas. O silencio, a solidão, a cama arrumada e, desordenada, eu estava a procurar a ordem dos papeis que estavam aos meus pés descalços, indecisos.

Leia mais – página 123 de Metamorfose de Aldenira de Oliveira

 

Quimérico

 

Esquecer as horas

deletar os códigos

não sentir nada que cheire à obrigação,

não dar ouvidos à voz da razão

e viver instintivamente.

Pobre utopia!

acordou um dia pontualmente e

foi bater o cartão!

Página 31 de Metamorfose de Aldenira de Oliveira

Deixe uma resposta