Minha bengala e eu

0

Esta bengala também veio de Macau.

Filha das matas, durante anos foi guardiã

de meus passos em suas trilhas.

 

Rústica, de bom pereiro

traz o coração da amizade.

 

Quando partir

quero-a comigo  -

talvez haja veredas entre as nuvens

e devamos caminhar.

                         (Horácio Paiva)

Foto E. Vale, década 1950, rua Pereira Carneiro, arq. Tereza Cristina, in Macauísmo, p. 163

Foto E. Vale, década 1950, rua Pereira Carneiro, arq. Tereza Cristina, in Macauísmo, p. 163

Deixe uma resposta