Jorge Amado, o petróleo e Macau

0

Jorge Amado 2Os Subterrâneos da Liberdade, romance do escritor Jorge Amado, dividido em três ciclos, “o autor pensa apresentar um quadro da luta do povo brasileiro, dirigido pela classe operária, nos anos que vêm do golpe de 1937 até os dias atuais”[ 1954], conforme diz a editora no prefácio do livro.  A edição é da Livraria Martins Editora.

No livro segundo, terceiro volume da edição de 1954 denominado A luz no túnel, destacamos o diálogo na página 151:

– Não é só manganês que há nessas terras. Os estudos feitos ultimamente revelam a existência de um manancial enorme de petróleo.

– Petróleo? Que adianta… Os americanos não vão deixar ninguém explorar petróleo no Brasil para lhes fazer concorrência… Todo mundo sabe disso.

– Por ora… Mas quem lhe diz que será sempre assim? Amanhã pode ser diferente. Compreende?

O texto selecionado foi postado para lembrar que também em Macau, na década de 1940 e 1950 poços foram fechados sob a alegação de não existir petróleo. Hoje é uma das maiores regiões produtoras de petróleo e gás do Brasil. Era a mão do imperialismo tapando nossos poços, que só não são “mais nossos” pela ação antipatriótica dos governos entreguistas que governaram nosso país.cartaz_jorge_amado

É sempre bom lembrar que Jorge Amado foi deputado federal eleito pelo Partido Comunista do Brasil, o PCB no década de 1940.

De Claudio Guerra para o baú de Macau

Deixe uma resposta