Barreiras, na obra do escritor Getulio Moura [2]

0

Da obra: Um Rio Grande e Macau de Getúlio Moura, editado em 2005, páginas 388 a 392.

[continuação]

 

Capelinha de Barreiras na RDS Ponta do Tubarão

Igreja de Barreiras na RDS Ponta do Tubarão

Em 1913, foi chantado um cruzeiro, pelo jesuíta Bernardino Araújo, no terreno doado por Zacarias Fernandes, onde seria construída a capela de Barreiras. Uma “casa de taipa e telha com 4 coqueiros” (48) foi deixada como patrimônio da capela por Joana de Brito Marques e Isabel Fernandes Martins colaborou para aquisição da imagem do santo. Em 1917, estava construída a Capela de São Sebastião, por Manuel Pedro da Silva, com a supervisão do padre Fortunato de Areia Leão. Só a frente era de tijolo; as demais paredes era de taipa. Quem a inaugurou foi o padre João Clemente, em 1918.

A primeira “Escola Rudimentar” foi oficializada pelo decreto nº 248, de 1924. Ocupava o mesmo local onde hoje está construída o prédio da Escola Municipal Alferes Cassiano Martins, ensino fundamental, permanecendo até hoje como a única escola  de Barreiras, “já carente de sala de aula devido ao crescimento do número de alunos.” – disse Marcelo Soares.

A primeira professora da “Escola Rudimentar Mixta João Valentim” foi Maria Madalena Lucas, depois Maria da Glória B. da Silveira, Maura de Medeiros Bezerra, Antônia Xavier de Menezes e Ivone Coelho. [continua]

Deixe uma resposta