Barreiras, na obra do escritor Getulio Moura [3]

0

Da obra: Um Rio Grande e Macau de Getúlio Moura, editado em 2005, páginas 388 a 392.

[continuação]

Em 1996, Barreiras tinha 925 habitantes, sendo 454 homens e 471 mulheres. A comunidade tem outros lugares habitados próximos da área urbana: Cacimba de Baixo, Chico Martins, Soledade e Baixa do Grito (este último já teve mais moradores, mas hoje conta apenas com uma casa).

A rádio FM-94,7, conduzida pela ACCCB – Associação Comunitária de Comunicação e Cultura de Barreiras, tem feito um bom trabalho de informação e programação musical, sem fins lucrativos.

 

Barreiras,  FUNDEC - ADECOB,  formatura Curso de Informática. 1998

Barreiras, FUNDEC – ADECOB, formatura Curso de Informática. 1998

A ADECOB – Associação de Desenvolvimento Comunitário de Barreiras, foi inaugurada em 1986. Possui consultório odontológico e escola de informática.

João Martins Sobrinho, mais conhecido por seu Dandão, irmão do artista Francilúzio, é um apaixonado por Barreiras, para a qual fez uma canção. Noite de Barreiras, descrevendo as belezas naturais do lugar e da mulher que espera o seu homem de volta do mar bravio, onde busca o alimento.

No mês de abril de 2003, foi realizada a festa “150 de Felicidade”, fazendo alusão à fundação do povoado. Jorge Luiz, filho do ex-vereador Manoel Victor, é o promotor e divulgador desse evento criado há 5 anos, festejando, como ele disse, o achado de registros de nascimento e de óbitos de pessoas de Barreiras do ano de 1853, na Catedral de Natal.

 

Dandão em seu violão no sítio de José Arimatéia em Barreiras, 1983. Foto: Claudio Guerra

Dandão no sítio de José Arimatéia em Barreiras, 1983. Foto: Claudio Guerra

O rio Tubarão/Unapatuban era conhecido desde o século 16, por franceses e espanhóis. Com a expulsão dos holandeses, em meados do século 17, o local passou a ser visitado por portugueses.

Em 1712, Diogo Lopes era o dono daquela área, por volta de 1790, o português Tomaz Rodrigues tinha ranchos de pescaria nas ilhas do Tubarão e do Tubarãozinho considerado os lugares excelentes, sobretudo pela existência de água potável nas proximidades. O que Barreiras deveria comemorar como origem do povoado, na verdade, é a chegada do capitão Francisco Martins e sua família naquelas terras, em 1818, quando ele fixou residência há 185 anos completados em 2003.[final]

 

Deixe uma resposta