Gamboa das barcas: 1958 – Meu avô José Horácio de Oliveira Góis

0

Claudio Guerra 1981 Caatinga em MacauCom atenção voraz, sigo o relato de meu avô. Conta-me como matou a onça que devorava os bodes do sítio de seu pai.  1908?  1909?  Matou-a em Macau ou em Touros, terras do compadre Majó Onofrinho?

Caçador exímio, tinha o hábito – frequente, à época, no sertanejo – de mascar fumo de rolo (não mencionasse, embora, a caipora).

Ao seguir rastos, viu restos: carcaças de bodes entre as folhas secas à sombra de uma oiticica. Subiu ao contrário do vento. Pendurou a cabaça num galho. Para cuspir, avaliados audição aguçada e faro da fera.

De lá partiu o tiro fatal, com a resposta no bote que se perdeu no chão.

Horácio Paiva

Deixe uma resposta