Gamboa das barcas, o sopro da memória: 1950; Irmandade dos Anjos

0

altar1950: Irmandade dos Anjos

            Pelejo com a ameba. É de completo mal estar o meu estado. E a luta contra a dita, dura. Sobretudo após o erro no diagnóstico e nos remédios.

            Em 1936, minha mãe perdera seu primeiro filho, Maurício, de apenas nove meses de idade, com disenteria.

            Encontra-se, agora, aflita. Aos Santos Reis  –  que visitaram Jesus menino e se santificaram  –  faz promessas. E vai cumpri-las em Natal, comigo.

            Minha mãe: afilhada de batismo de Monsenhor Honório e Nossa Senhora da Conceição, presidente da Irmandade dos Anjos e uma das fundadoras da Congregação do Rosário, em Macau.

Deixe uma resposta