Uma poesia de Horácio Paiva: Sete elegias de um ano findo

0

 SETE ELEGIAS DE UM ANO FINDO 

 

                        1

 

pena 1vestida de azul levaram a infanta

e a sua casa ficou vazia

 

                         2

                                                            A Luiz Maranhão Filho, mártir do povo:

 sob o peso da noite

            e do vinho amargo

bati à porta da treva

            e gritei o teu nome

 

mas nada ouvi senão ecos

            a fulminar

                        a memória

 

                        3

 

dois olhos vazios

            bebem sonolentos

as águas do rio

 

            entre eles a ponte

recolhe o choro inútil

            da argila molhada

 

                        4

 

noite

            noite fria

 

o vento traz a lembrança pena 5

            da poeira pisada

e do estrume dos currais

 

            a lua e o vento

brincam na rua deserta

            e o som do chocalho

desmaia

            nas cinzas do passado

 

                        5

 

alguém chora

            mas não há lágrimas

 

exceto vagalumes

            náufragos aéreos

que espalham à deriva

            luzes

                        do éden perdido

 

                        6

 

há um abismo doce

            nesses beirais que falam

da chuva que veio do mar

            e que esqueceu

a velha paixão

            do sal abandonado

no leito secreto

            dos amores soterrados

 

                        7

 

não voltarão mais

            essas águas que passaram

levando no asfalto

            folhas caídas

das sete colinas de Lisboa

            no último dia do ano findo

 

mas a passar vejo-as ainda

pois na eternidade nada finda

 

 

                                   Horácio Paiva – de  Lisboa em  31/12/2013

Deixe uma resposta