Luta pela vida: Audiência pública na Câmara de Vereadores de Natal

0
Guernica de Pablo Picasso

Guernica de Pablo Picasso

Num texto do escritor Eduardo Galeano ele lamentava o fato que vivemos hoje a cultura da desvinculação onde para a grande maioria das pessoas os fatos ocorrem sem motivos, como por uma fatalidade. Ela fala ausência de uma memória mais longa e contextualizada sobre um determinado período histórico e a tentativa de desconstruir o presente e passado como forma de dominação de uma classe sobre outra. Fala do culto da instantaneidade alimentado por novas tecnologias da comunicação e da informação nas redes sociais. Tudo isso, diz Galeano,  provoca este mal que é a dissociação dos acontecimentos onde ninguém liga nada com nada.

Eu sempre busco este texto e outros que tratam do assunto de forma honesta.  Em agosto de 1950 dois trabalhadores das salinas de Macau foram presos na vila de Pendências, distante 30 quilômetros de Macau por estarem colhendo assinaturas para o chamado Apelo de Estocolmo —  articulação mundial contra o uso da bomba atômica que havia sido jogada pelo governo dos Estados Unidos em 1945 e  assassinado milhares de humanos em duas cidades japonesas. No ano seguinte, em 1951 vários trabalhadores salineiros foram presos em Macau por protestarem contra o envio de tropas para a invasão da Coréia como exigia os Estados Unidos.

A luta era pela paz mundial e talvez os trabalhadores das salinas nem soubessem onde ficava a cidade de Estocolmo ou o país chamado Coréia.

Agora em agosto de 2014 a vereadora Amanda Gurgel do Partido Socialista dos Trabalhadores Unificados o PSTU usa o mandato para convocar uma Audiência Pública para discutir o genocídio promovido pelo Estado de Israel [como o apoio dos Estados Unidos] contra o povo palestino em Gaza.

Pasmem! Aqui no Rio Grande do Norte alguns a criticaram, inclusive jornalistas, por sua nobre atitude pela vida.

Assim como no caso dos trabalhadores das salinas em Macau há sessenta anos, como na audiência pública na Câmara Municipal de Natal agora em 2014, o principal é ressaltar as atitudes louváveis pela vida daqueles que podem fazer alguma coisa e fazem.

De Claudio Guerra para o baú de Macau