Hianto de Almeida: o potiguar e a bossa nova

0

Hianto de Almeida: o potiguar e a bossa nova

Berilo de Castro, médico {berilodecastro@hotmail.com.br)

 

Artigo publicado originalmente no Jornal de Hoje, 22 de outubro de 2014, página 2 Opinião.

 

 

Foto de autor não identificado - Cyber-Macau, setembro de 2012, Teatro Hianto de Almeida em Macau: abandono e desprezo.

Foto de autor não identificado – Cyber-Macau, setembro de 2012, Teatro Hianto de Almeida em Macau: abandono e desprezo.

No ano 2010, a acadêmica e historiadora musical Leide Câmara, em um minucioso e belo trabalho de pesquisa, expôs em “A Bossa Nova de Hianto de Almeida” (SESC/RN, 2010) a brilhante e produtiva carreira do genial compositor e música Hianto de Almeida, um dos precursores da Bossa Nova (movimento da música brasileira do final dos anos 1950, lançada por João Gilberto, Tom Jobim, Vinicius de Morais, Carlos Lira e jovens cantores/compositores, entre eles Hianto de Almeida, de classe média da zona sul carioca; derivado do samba e com forte influência do jazz, que revolucionou a música brasileira e ganhou o mundo).

Hianto Ramalho de Almeida Rodrigues (Macau/RN, 2 de junho de 1924 – Natal/RN, 27 de setembro de 1964) Filho de Fernando D’Almeida Rodrigues e de Maria da Glória Ramalho Rodrigues. De herança musica genética: pai músico e compositor, irmãos compositores e intérpretes: Haroldo de Almeida e Newton Ramalho (Dicionário da Música do Rio Grande do Norte, Leide Câmara, Natal/RN; Editora do autor, 2001).

Sua vida artística teve início em tenra idade; aos nove anos já estudava piano e começou a compor suas primeiras músicas. Em 1942, a família se mudou para Natal e, em 1948, perdeu o seu pai, vítima de tuberculose.

Aos 19 anos, começou a cantar no programa de calouros da Rádio Educadora de Natal (REN), depois Radio Poti, incentivado pelo empresário Carlos Lamas.  No ano de 1952, mudou-se para a cidade de Rio de Janeiro, quando começou a trabalhar na Companhia Comércio e Navegação; durante a noite estudava e conseguiu concluir o Curso de Técnico de Contabilidade.

Na cidade maravilhosa, fez amizade com jovens músicos ainda não famosos como: Tom Jobim, Johnny Alf e João Gilberto; foi quando gravou as sua primeira música, o samba-canção “Amei demais” e, logo depois, “Encontrei afinal”, um dos seus grandes sucessos, na voz de Dalva de Oliveira, ambos em parceria com seu irmão Haroldo Ramalho; na mesma época (1952), compôs, “Meia Luz”, em parceria com João Luis, música incluída no primeiro disco gravado por João Gilberto.

Há registro na história da música brasileira de que o primeiro arranjo do famoso e imortal maestro Tom Jobim foi feito em cima de uma música de Hianto.

Entre os cantores que registraram suas composições figuram Dircinha Batista. Elizeth Cardoso (“Sincopado Triste”, “Memórias”); Isaurinha Garcia (“Vento Vadio”); Elza Soares, Miltinho, Cauby Peixoto, Raul de Barros, Jair Rodrigues, Trio Irakitan, Trio Marayá, Dalva de Oliveira (“Encontrei Afinal”); João Gilberto (“Meia Luz”); Ciro Monteiro (“Meu bem”); Severino Araújo, entre outros.

Em 1957, de férias em Natal, casou-se com Fabiola (Maria Fabiola Gonçalves dos Santos), depois de um breve namoro; da união nasceram duas filhas: Fernanda Santos Rodrigues de Medeiros e Fabíola Santos de Almeida Rodrigues.

Pouco tempo depois passou a ser incomodado por um “sinal/ferida” em um dos seus tornozelos. O persistente incômodo o fez procurar um médico, que diagnosticou um câncer ósseo. Nesse momento, inicia-se a sua grande e ferrenha batalha para vencer a inesperada e maléfica doença. De volta ao Rio foi submetido a várias cirurgias, sem grandes resultados. Em 1961, voltou a morar em Natal.

Em 1962, na sua luta contínua e corajosa contra a doença, sempre apoiado e encorajado pela família, viajou para os Estados Unidos, com esperança de obter em um centro médico mais avançado e evoluído, a resolução da sua doença, que se exacerbava dia a dia.

Depois de quase um mês, não alcançando êxito com a nova investida terapêutica, retornou, e voltou a morar em Macau, onde passou três anos. Em 1964, voltou a Natal, vindo a falecer em 27 de setembro de 1964, com apenas quarenta anos de idade.

Deixou uma musicografia riquíssima, com 237 composições, 81 gravações em discos 78 rotações, 7 discos de 10 polegadas, 7 compactos, 89 LPs e 23 CDs. Foi seputado na sua cidade berço, Macau, em um ambiente e momento da alta comoção popular, à altura do grande e genial músico precursor da Bossa Nova Brasileira.

O Brasil, todos os norte-rio-grandenses e em especial a comunidade macauense, se sentem orgulhosos e honrados pelo legado deixado e imortalizado na história da música popular brasileira. Valeu a pena, Hianto!

Berilo de Castro, médico {berilodecastro@hotmail.com.br)

Artigo publicado originalmente no Jornal de Hoje, 22 de outubro de 2014, página 2,  Opinião.