Edinor Avelino [1898/1977] no Panorama da Poesia Norte-Rio-Grandense (1965)

0

Panorama da Poesia Norte-Rio-Grandense; autor: Romulo C. Wanderley, 1965, Edições do Val Ltda., Rio de Janeiro (GB)

Página 122/124

arquivo de gama  Edinor AvelinoJosé Edinor Pinheiro Avelino nasceu em Macau em 17 de julho de 1898. É filho do Prof. Emídio Bezerra da Costa Avelino e de Maria Irinéa da Costa Pinheiro.

Desde quando publicou os primeiros versos, chamou a atenção dos homens de letra da província pelo vigor da sua poesia, firmeza de linguagem e elevada inspiração. Otoniel Menezes, quando em 1923, publicou o Jardim Tropical, fêz uma expressiva dedicatória a três poetas: Alberto de Oliveira, o maior do Brasil, H. Castriciano, o primeiro no Rio Grande do Norte, e Edinor Avelino, “a mais bela afirmação entre os novos!”

A poesia “Macau”, que publicamos nesta coletânea, é um dos seus trabalhos máximos e mereceu de Fernando Almeida uma bela melodia, que a tornou muito popular, mesmo porque merece ser considerada o hino oficial da terra das salinas.

Edinor Avelino publicou Divagações, livro de versos da mocidade e preparou outros, que ficaram inéditos.

Ao Assu, onde residiu, esteve em grande atividade literária e deu de presente à terra dos carnaubais um belo soneto que é um hino àquele “formoso vale, expressão, harmonia, para um canto divino, um poema superior, daqueles que o artista arrebatado cria, cantando a natureza, a formosura e o amor”.

O poeta é funcionário autárquico aposentado e reside em sua cidade natal, “contemplando-a com os olhos cheios d’água nos grandes vôos do seu pensamento.”