Luís Carlos Prestes – Programa Memoria Viva da TVU

0

Memoria viva com Luis Carlos PrestesMemória Viva de Luís Carlos Prestes

Coleção Humanas de Letras – Coleção Mossoroense – vol. 867 -CCHLA/ UFRN – Natal/1995

Há décadas o programa Memória Viva da TV Universitária da UFRN com suas variadas entrevistas presta um grande serviço à história. Dentre estas, algumas ganharam o formato de livro como a Memória Viva de Luis Carlos Prestes. A entrevista de Carlos Lyra com Luis Carlos Prestes foi em 1989 e editada no formato de livro em 1995 pelo Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes cujo diretor era o Professor Geraldo de Margela Fernandes  e vice-diretor o Professor Jose Lacerda Alves Felipe que também compunha a Comissão Editorial composta pelos Professores Eduardo de Assis, Vicente Vitoriano, Wolden Madruga, Willington Germano e Denise Monteiro. O prefácio cujo título.  Prestes: o homem e a política é da Professora Brasília Carlos Ferreira  que destaca a trajetória de um oficial do exercito brasileiro rumo ao marxismo e dirigente do Partido Comunista Brasileiro.

Luis Carlos Prestes encerra a entrevista destacando  o quanto é ruim para a sociedade o fato dos meios de comunicação ser propriedade de poucos e destaca também a sua contribuição na luta por um mundo melhor para todos.

“Depois vem a imprensa, vem o rádio, a televisão, que são armas terríveis, todas elas nas mãos de grandes empresas capitalistas, que impõem e difundem a ideologia da classe dominante.  É contra tudo isto que eu estou lutando, é esse o meu objetivo, e quando eu faço um depoimento como este, eu tenho a esperança que isto possa chegar ao conhecimento da  juventude, conhecimento da classe operaria, para que a classe operária veja qual é a luta de um individuo sozinho que não tem nenhum  cargo, que  não pertence a nenhum partido, mas que está empregando todos os recursos dos seus últimos anos de vida para melhorar as forças  revolucionarias que vão, realmente , fazer uma revolução no Brasil e levar o Brasil a uma sociedade nova, efetivamente livre da exploração do homem pelo homem”.