Ditadura, sim! Ditadura!

0

Charge para artigo luta de classesÀs vezes é preciso que nos ponham novamente com os dois pés no chão. Desta vez as queixas do meu irmão fez-me descer à realidade, pois cada vez mais nos colocam “nas nuvens”.

— Ditadura, ele me disse. Vivemos numa ditadura! Se eu sinto impotência em resolver meus problemas do dia a dia é porque sou oprimido por uma força muito maior e isso é ditadura!

E eu que “nas nuvens” quase esquecera  os conceitos marxistas, tive um choque com aquela declaração quase  raivosa do meu irmão, naquele começo de noite delicioso sob o belíssimo céu de Natal numa  reunião familiar que começara com amenidades.

Ele, pequeno empresário do setor imobiliário trabalhando dez, doze, quatorze horas por dia para manter vida com dignidade, expressou toda a sua mágoa sincera contra a opressão da burocracia insana no setor que opera, das empresas de telefonia que não dão a mínima às suas reclamações, dos juros abusivos dos bancos, dos pedágios escorchantes, do estacionamento pago a preço de ouro e planos de saúde terríveis que não cumprem o contrato, enfim, a opressão dos ricos, das grandes empresas  sobre todo o restante dos homens e mulheres que trabalham muito: trabalhadores do campo, das fábricas e dos escritórios, médicos, dentistas, advogados e os pequenos empresários de todos os setores da economia.  É assim.

O capitalismo segue o seu caminho sem novidades nos fundamentos: produção social e apropriação privada; tendência a cair da taxa de lucro  e necessidade de um lucro cada vez maior. E tudo sob a mídia concentrada que convence-nos a pagar as maiores taxas de juros do mundo e não reclamar contra elas. Reclamamos do carroceiro e até do flanelinha, mas nãos dos banqueiros que nos escorcham.

Sempre nos acenarão com a possiblidade de um dia sermos ricos e também ocuparmos  a mesa da festança. Poucos, muito poucos, mas muito poucos mesmo, sentarão à mesa e sabe lá como venderão suas consciências e se lambuzarão na lama em que viverão. Nunca mais falarão em honestidade.

De Claudio Guerra para o baú de Macau