Ribeiras do Assu e Mossoró

0

Obra: Ribeiras do Assu e Mossoró – Notas para a sua história; autor: Olavo de Medeiros Filho; Coleção Mossoroense, série C; volume 1360; julho de 2003. Excerto do livro –  “As salinas holandesas no litoral potiguar”   “À época em que senhorearam a Capitania do Rio Grande, os holandeses exploraram algumas salinas, todas elas localizadas no litoral setentrional do território norte-rio-grandense. As mais antigas dessas salinas, anteriormente já conhecidas e exploradas pelos portugueses, eram aquelas existentes no rio Guamaré”. P. 19 “Os mais antigos relatos sobre o Rio Assu, informam que o referido rio desaguava no Atlântico, através de cinco braços. O primeiro deles, na parte mais oriental, era conhecido por diversas denominações, assinaladas por autores portugueses e holandeses: Barytuba, Maritouba, Marytupa, Meiritupe, Omara, Omaratibo, Omaratuba e Umaritibu. Posteriormente o Marituba recebeu as denominações de Madeira, Arrombado e, finalmente, Casqueira, como é conhecido atualmente”. Segundo informações de Morris de Jonge, a salina encontrada no rio Marituba ficava a meia légua da barra, na margem oriental do rio, distanciando-se 200 ou 30 passos de terra a dentro. O litoral do rio Açu foi muito modificado no século passado. Inclusive ocorreu o afundamento da ilha de Manoel Gonçalves, processo iniciado em 1818 e já concluído em 1857. A ilha, que media 6 milhas no sentido leste-oeste, era separada do continente, no seu lado oriental, pelo rio Madeira”. p.26