Sobre o autor

0

Saudades

Lembranças de Areia Branca

David Leite [*]

 

Areia Branca, cidade litorânea potiguar, recebeu, nos últimos anos, três valiosos presentes: primeiro, foi Deífilo Gurgel, que lançou, em 2002, “Areia Branca – A Terra e a Gente”. Depois, o ministro Francisco Fausto Paula de Medeiros lança, em 2004, “Viva Getúlio – As Areias Brancas da Memória”. E, agora, chega Francisco Rodrigues da Costa com o seu “Saudades”.

Com esse triunvirato – na melhor acepção da palavra -, a cidade conseguiu resgatar e registras considerável parcela de sua história recente, em primoroso acervo que, certamente, será de grande valia para as gerações futuras. Fatos, pessoas, detalhes históricos e políticos são narrados e comentados de ângulos diferentes, construindo uma tessitura que também favorece, sobremaneira, aos leigos nos assuntos areia-branquenses.

Os dois primeiros autores citados, mesmo em áreas diferentes, já navegavam pelos mares literários… Com Francisco Rodrigues da Costa acontece a estréia. Na idade madura, revela-se um memorialista de mão cheia. Nas conversas informais já era fácil detectar sua habilidade de revolver os tempos idos. Sempre teve a propensão de relembrar deliciosas histórias da chamada “geografia humana” de sua terra natal, contando-as com riqueza de detalhes.

Exemplifico o capítulo dedicado ao ex-deputado Manoel Avelino, para realçar importante aspecto deste trabalho, qual seja: o de reconstruir perfis de algumas emblemáticas figuras de nossa região. No caso específico de Manoel Avelino, particularmente sempre nutri curiosidade em relação ao político que, durante duas ou três décadas, imprimiu uma liderança tão forte em Areia Branca, que não tardou emergir um certo folclore em torno de sua atuação. Pois bem, Francisco Rodrigues o resgata com mestria, e o faz com muitos outros nomes, o leitor verá.

Francisco Rodrigues da Costa (ou Chico Rodrigues), contabilista formado em nossa Uern, funcionário de careira da prefeitura de Mossoró, nunca esqueceu sua meninice e adolescência, vividas em Areia Branca. E o mais importante: além de não ter esquecido, teve a capacidade de transformar essas lembranças em valioso instrumento de registro histórico, que hoje nos presenteia de forma simples e humana, como ele próprio sempre revelou.

 

Orelha do livro Saudades de Francisco Rodrigues da Costa

[*] David de Medeiros Leite é advogado, pesquisador e professor da UERN

Francisco Rodrigues da Costa

Deixe uma resposta